DADOS ACTUALIZADOS SOBRE CRISTOVÃO COLON


A misteriosa origem do famoso navegador Cristóvão Cónon foi interrogação que comovera o seu filho Fernando Cónon na busca da origem paterna. A primeira biografia de Colon foi escrita por Fernando Colon, filho ilegítimo, espanhol; muito mais tarde foi publicada a famosa biografia italiana, a qual dá Colon por genovês. A tentativa de corrigir os vários erros desta biografia deram origem à tese do Crolon catalão, a qual também não consegue ver-se livre de incoerências significativas (e não consegue fazer prova do seu maior objectivo); para solucionar também esta tese surgiu a hipótese do Colon galego.

A tese do Colon português é a única que até ao momento subsiste e que consegue dar resposta aos enigmas anteriores. Cristóvão Colon era português de nascimento e criação mas pertencendo por sangue à Casa Real da Polónia (o ADN comprovam a sua origem caucasiana).

Resumidamente, actualizemos:

1 - Colon era filho bastardo da realeza Polaca com uma fidalga portuguesa;

3 - Foi instruído clericalmente (nas principais disciplinas da época) e adquiriu também a arte da navegação;

2 - Com autorização do Príncipe D. João II de Portugal, Colon casou-se com a fidalga portuguesa Dona Filipa Moniz de Perestrelo (filha do falecido Capitão de Porto Santo);

3 - Colon ficou ligado às terras do Sul (Alentejo) de Portugal, onde terá nascido (mais provavelmente na vila de Cuba);

4 - Conhecia as coordenadas de Canárias à América central, e o tempo de duração da viagem (na sua primeira viagem teria chegado dia 11 caso não tivesse feito propositadamente as conhecidas manobras "inexplicáveis" no final dessa viagem, que permitiu então chegar dia 12). Conhecia previamente o caminho de retorno até às ilhas portuguesas no Atlântico:

5 - Os portugueses conheciam as Américas, mas não havia concórdia que elas fossem uma extensão da Ásia; Colon estava convicto de que sim (daqui a sua proposta de ir à Índia, por Ocidente), e a opinião principal (a Régia) era diferente (e verificou-se mais acertada).

6 - No regresso da primeira viagem os primeiros reis com quem Colon privou foram os de Portugal;

Etc...

MARCEL LEFEBVRE - Aniversário


Dia 29 de Novembro recordamos o nascimento natalício desse grande defensor da pureza da Fé (o maior na segunda metade do séc. XX), do Pensamento Católico, e de resistência à corruptela sacramentalista do pós-concilio Vaticano II.

Não hesitamos em irmanar este Arcebispo francês ao nosso Arcebispo Fr. Fortunato de S. Boaventura (séc. XIX), e a outros Clérigos portugueses resistentes, vítimas da militância liberal.

Um agradecimento especial do blog ASCENDENS e seus leitores a D. Marcel Lefebvre.

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXIX


MARTÍRIO, E APOSTASÍA

 
"Não cairemos no erro histórico de semear o caminho com mártires cristãos, pois bem sabemos que foi o martírio que deu força à Igreja: nós faremos apóstatas, milhares de apóstatas." (Fidel Castro)

Comentário: sim, é certo que o caminho da apostasia encontra-se do lado oposto ao do martírio.

ESTRANHA INCOERÊNCIA!!!


Quando a 13 de Maio de 2016, em Fátima, em unidade com todos os Bispos de Portugal, o Cardeal Patriarca de Lisboa consagrou Portugal ao Imaculado Coração de Maria, não se viu difusão do feito por parte dos meios tradicionalistas (nem blogues, nem sites, nem sermões). Agora que em Fátima o líder dos católicos ucranianos, sozinho, fez uma consagração da Ucrânia ao Imaculado Coração.... ahh isso sim, já é notícia que todos eles proclamem!

Estranho.... Parece que há gosto que de Portugal só houvesse que noticiar aquilo que possa ser entendido como "país que está muito mal, e que outros irão resgatar"...! Será que para alguns os factos têm de ser retalhados para lhes sustentar alguma tese basilar!?...

A CUSTO DO GONÇALVES - ARRUMEMOS A CASA (I)

A pessoa que em caixa de comentários assina por S. Gonçalves deu-me ali ocasião para explanar alguns assuntos oportunos (dos quais as respostas, mais que pelo interesse histórico, valem pelo conteúdo doutrinal, de Tradição, justiça, clareza, objectividade, memória de certas verdades e valores hoje muito esquecidos.

Pego agora naqueles comentários feitos por S. Gonçalves (no blog VERITATIS) e coloco-os em perguntas, e dou as repostas.


1 – Salazar manteve a república?

R: A prova de que Salazar não manteve a república está na descaracterização desta, ao ponto de uns lhe darem rótulo de “ditadura”, ao ponto do próprio Salazar lhe chamar apenas “Estado Novo”, e não “nova república” (sem qualquer escrúpulo ou hesitação, elimine-se dos manuais escolares a seriação de 1ª, 2ª e 3ª república). Essa desfiguração, desmantelamento, como sabemos resulta de actos propositados, não acidentais. Ao contrário de Franco, Salazar (mais instruído nas coisas de Deus, da Pátria e da nossa Monarquia, conhecedor dos círculos monárquicos e integralistas) sabia da impossibilidade da devolução da nossa Monarquia (a qual fica em 1834, e não em 1910 - além do problema da ilegitimidade da linha de D. Pedro IV, e da imposição artificiosa de um regime “monárquico” liberal). Ao contrário do que vimos com os republicanos, no Estado Novo não era o regime, ou ideologia própria aqueles que interessavam alcançar, mas sim o uso das ferramentas disponíveis para proteger Portugal do assalto internacional (autodefesa), e possibilitar a vida dos portugueses, preservar os territórios, restaurar a identidade ferida, e esperar melhores tempos nos quais fosse possível devolver Portugal à normalidade: a sua monarquia própria (anterior a 1834), enfim, a Cristandade.


2 – Salazar infundiu os valores cristãos à república?

R: Livrando esta pergunta das acostumadas amarras verbais: Salazar infundiu os valores cristãos no Estado Novo? A intenção do Golpe Militar de 1926 não foi implantar um regime determinado, mas sim de expulsar os republicanos que, ilegitimamente, desde 1910 oprimiam Portugal (por exactidão devemos dizer que nunca houve uma "república portuguesa", mas sim uma "república em Portugal"). Depois do golpe militar tentou-se acordar alguma forma de sustentar e desembaraçar Portugal (não de sustentar e desembaraçar a república...) com o máximo de celeridade possível. O Estado Novo também se foi-fazendo e aproximando da nossa Monarquia e na modalidade de “rei ausente” (na falta de melhor designação)! Como provinciano de recta intenção Salazar vai seguindo as sendas da nossa civilização. Em demasia, os inimigos internos de Portugal atribuíram a este homem todos os acontecimentos (com intenção oposta o mesmo costumam fazer os exagerados da banda oposta); na verdade, Salazar não inventou nada que Portugal não tivesse guardado. O Portugal profundo, na ausência ou incapacitação dos seus maiores (a Monarquia verdadeira, etc.), depois da desocupação do inimigo republicano, sobe à governação de Portugal, aplicando ali a sabedoria prática, prudência, modos, costumes, coisas já perdidas em vários lugares onde o inimigo tinha feito obra. É necessário aclarar o "Portugal profundo" não é tanto o "populuxo" mais típico das cidades, mas sim aquele mais sóbrio, de pequenos proprietários (e outros), mais característicos do interior. Os valores cristãos, ou ainda melhor, o bom costume, a piedade, sobriedade, a prática da virtude, o sacrifício proveitoso, a honestidade, a recta intenção, o Culto a Deus, aos Anjos e Santos, a devoção Mariana, o pensamento cristão sintetizado, da opressão que o inimigo lhes tinha feito desde 1834 (oficiosamente), transpareceram finalmente no poder, em Salazar (e outros). Salazar portou-se como um bom exemplar do Povo português, em cargo e em tempo extraordinários.
(a continuar)

NA SERRA ALTA - PROFECIAS, apenas!


"... e diz ele que até 2017 ficará concluído o ciclo da apostasia geral na Igreja; ou seja, que não restará da Igreja paróquia nem 

 instituição sã que possam garantir a pureza da Fé e estar isentas. As partes insuspeitas estarão comprometidas, umas tendo começado pelo relativismo, outras pela traição, outras comprometidas por ilusões e vãs promessas; mesmo que uma ou outra repitam a doutrina da Igreja, estarão já longe nos critérios católicos pelos quais deveriam regular-se, e orientar; os espíritos estarão cada vez mais confusos, e aparecerão mesclas de ideias e opiniões outrora repudiadas. Os castigos que já se assomam por todos os lados terão depois as portas escancaradas. "A visibilidade da Igreja desapareceu então!?", perguntaram-lhe. Explicou que a visibilidade da Igreja existe, mesmo que um cego de nascença não a veja; e mesmo que sobrasse um católico, até assim a faculdade da visibilidade continuaria com ele. Então, perguntou assim aos que estavam: "que coisa seria a Igreja, se a tomássemos por aquilo que exteriormente dela vemos hoje?". Fiquei calado... ninguém se mexeu! (...) Continuou: "quem então quiser fugir, não saberá para onde!""
(na serra alta - J. Antunes)

17 de Novembro de 1717 - PRIMEIRA PEDRA

Imaculada Conceição (no Convento de Mafra)
Em Portugal, no ano de 1717, a 17 de Novembro é o lançamento da primeira pedra do Real Convento de Mafra dedicado à Imaculada Conceição (Rainha de Portugal) e a Sto. António de Lisboa. Bendito ano para o catolicismo em Portugal, que a 19 de Julho, contra os turcos, com a vitória na Batalha de Matapam [Matapão], defendeu a Santa Sé e a Cristandade do ÚLTIMO ataque naval do inimigo. 13 anos depois da primeira pedra, deu-se a inauguração no dia do aniversário natalício do Rei.


2017, tão significativo para nós e para o mundo cristão, por Fátima, comemoraremos os 300 anos do Real Convento de Mafra, que é símbolo da maturidade de Portugal, convocando Deus, o Rei, a Igreja, o Clero, e o Povo.

D. João V sobre a representação da batalha de Matapão.
E para os de fora, lembrar: o Convento de Mafra em Portugal, é como que um Convento do Escorial para Espanha.

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXVIII

NA SERRA ALTA - ACONTECIMENTOS CÍCLICOS?


"Os optimistas sentem prazer ao dizer que "a crise na Igreja é cíclica".  Neste ânimo ainda não entrou melhor a qualidade geométrica, que lhes diria: mais que cíclica, é espiral."
(na serra alta - J. Antunes)

Receitas de Portugal - CARNE DE PORCO À ALENTEJANA

Prato típico da costa sul de Portugal, mas que é muito apreciado por todo o país.



PAPA FRANCISCO - em modo anti-papas...!?


“Pela autoridade do Deus Todo-Poderoso, dos santos apóstolos Pedro e Paulo, e de nossa própria autoridade, nós condenamos, reprovamos, e rejeitamos completamente cada uma dessas teses ou erros como heréticosescandalososfalsosofensivos aos ouvidos piedosos ou sedutores das mentes simples, e contra a verdade católica. Listando-os, nós decretamos e declaramos que todos os fiéis de ambos os sexos devem considerá-los como condenados, reprovados e rejeitados [...] Nós os proibimos a todos em nome da santa obediência e sob as penas de uma automática excomunhão.“Ainda mais, por causa dos precedentes erros e de muitos outros contidos nos livros ou escritos e sermões de Martinho Lutero, nós do mesmo modo condenamos, reprovamos e rejeitamos completamente os livros e todos os escritos e sermões do citado Martinho, seja em Latim seja em qualquer outra língua, que contenham os referidos erros ou qualquer um deles; e desejamos que sejam considerados totalmente condenadosreprovados e rejeitados. Proibimos a todos e a qualquer um dos fiéis de ambos os sexos, em nome da santa obediência e sob as penas acima em que incorrerão automaticamente, de ler, sustentar, pregar, louvar, imprimir, publicar ou defendê-los”.

( Bula Exurge Domine, de 15 de Junho de 1520, o Papa Leão X)

PAPA FRANCISCO SOB A MIRA DE AGOSTINHO DE MACEDO

Imagem de Lutero, ladeada pelo Papa Francisco que esta semana beijou a bíblia luterana
"; e se como Herege abraças o Evangelho, vê, contempla, medita nas terminantes, e claríssimas expressões do Divino Salvador, na Instituição do Adorável Sacramento. Toma o pão, abençoa-o, e diz: Este é o meu Corpo. Hoc est Corpus meum; e da mesma sorte o vinho: Este é o meu Sangue. Hic est Sanguis meus. Não disse, como querem os Luteranos, e Calvinistas: Este Pão é a imagem, e a figura do meu Corpo, e do meu Sangue; mas disse, e declarou aquilo que não tinha feito na instituição dos outros Sacramentos; esta comida é a verdadeira e real substância do meu Corpo, e esta bebida o meu verdadeiro Sangue: Caro mea vere est cibus, et sanguis vere este potus, e para nos tirar toda a dúvida, ainda acrescenta: e este mesmo Corpo, que aqui fica debaixo das espécies de Pão, é aquele mesmo que há de ser entregue aos meus inimigos para vos salvar. Hoc Corpus, quod pro vobis tradetur." (Pe. José Agostinho de Macedo, em "Breve notícia dos mais notáveis desacatos ocorridos em Portugal...", ano 1825)

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXVI

BIBLIOTECA ASCENDENS - difusão (XIV)

(continuação da XIII parte)


[requisição gratuita das obras: ver aqui]

778 - História do Descobrimento e Conquista da Índia Pelos Portugueses - Livro VIII (Fernão Lopez de Castanheda. Lisboa, ano 1833) [Pt. - 490 páginas]

780 -  [não disponibilizamos] História do Futuro. Livro Anteprimeiro Prologómeno a Toda a História do Futuro, em que se declara o fim, e se provam os fundamentos dela. Matéria, Verdade, e Utilidades da História do Futuro. (Pe. António Vieira, Prégador de S. Majestade. Lisboa Ocidental, ano 1718) [Pt. - 420 páginas]

781 - História do Nascimento, Vida e Martírio do Beato João de Brito da Companhia de Jesus, Mártir da Ásia, e Protomártir da Missão de Maduré. (Fernando Pereira de Brito. Lisboa, ano 1852) [Pt. - 398 páginas]

782 - História dos Estabelecimentos Científicos Literários e Artísticos de Portugal Nos Sucessivos Reinados da Monarquia - XII Tomo (José Silvestre Ribeiro. Lisboa, ano 1884) [Pt. - 498 páginas]

783 - História dos Estabelecimentos Científicos Literários e Artísticos de Portugal Nos Sucessivos Reinados da Monarquia - IX Tomo (José Silvestre Ribeiro. Lisboa, ano 1884) [Pt. - 520 páginas]

784 - História dos Estabelecimentos Científicos Literários e Artísticos de Portugal Nos Sucessivos Reinados da Monarquia - XIII Tomo (José Silvestre Ribeiro. Lisboa, ano 1885) [Pt. - 490 páginas]

785 - História dos Estabelecimentos Científicos Literários e Artísticos de Portugal Nos Sucessivos Reinados da Monarquia - XIV Tomo (José Silvestre Ribeiro. Lisboa, ano 1885) [Pt. - 590 páginas]

786 - História dos Portugueses no Malabar por Zinadím- Manuscrito Árabe do séc. XVI publicado e traduzido por David Lops (Lisboa, ano 1898) [Pt. - 375 páginas]

794 - Plan Histórico de la Theologia Moral de Los Jesuitas; y Dictamen de Ub Celebre Theologo Sobre si Es Licito Permitir a los Regulares de la Compañia confesar, y predicar, dividido en quatro Cartas escritas á un Obispo de Francia, traducidas del Italiano. (Madrid, ano 1768) [Esp. - 400 páginas] AUDIO

796 - Polícia Secreta dos Últimos Tempos do Reinado do Senhor D. João VI e sua continuação até Dezembro de 1826 Lisboa, ano 1835) [Pt. - 520 páginas]

800 - Primeira Dissertação Crítica, Contra as Memórias Para a História do Bispado da Guarda, Sobre alguns pontos da Disciplina Eclesiástica da Espanha, que na Conferência da Academia Real da História Portuguesa de 9 de Abril de 1733 leu D. Francisco de Almeida. (Lisboa Ocidental, ano 1733) [Pt. - 300 páginas]

801 - Segunda Parte da História de S. Domingos Particular do Reino e Conquistas de Portugal - III Volume (Fr. Luís Cacegas. Lisboa, ano 1866) [Pt. - 560 páginas, terceira edição]

802 - Provas da História Genealógica da Casa Real Portuguesa, Tiradas dos Instrumentos dos Arquivos da Torre do Tombo, da Sereníssima Casa de Bragança, de diversas Catedrais, Mosteiros, e outros particulares deste Reino - IV Tomo (D. António Caetano de Sousa. Lisboa, ano 1745) [Pt. - 871 páginas] (todos os tomos, aqui)

808 - Livro Intitulado: Cuidai o Bem - Ensina o meio breve, fácil, e seguro para se salvar. Dedicado à Mocidade cristã e a todos os que desejam lograr a ditosa Eternidade. Acrescentado com a Filosofia do verdadeiro Cristão e de novo com um exercício quotidiano mui proveitoso para o mesmo fim; que praticava o Sereníssimo Príncipe de Portugal D. Teodósio. Traduzido do Francês em Português por um Religioso da Companhia de Jesus. (Universidade de Évora, ano 1674) [Pt. - 298 páginas]

809 - Regulae Societatis Jesu (Romae, M.D.XC) [Lat. - 420 páginas]

810 - Relação da Conquista das Praças de Alorna, Bicholim, Avaro, Morly, Santarém, Tiracol, e Rary Pelo Ilustre, e Excelentíssimo Senhor D. Pedro Miguel de Almeida e Portugal, Marquês de Castelo-Novo, Conde de Assumar, do Conselho de Sua Majestade, e do de Guerra, Vedor da Casa Real, Mestre de Campo General de seus Exércitos, Director Geral da Cavalaria do Reino, Vice-Rei e Capitão General da Índia... - I Parte (Manuel António de Meireles. Lisboa, ano 1747) [Pt. - 60 páginas]

811 - Relação Feita em Consistório Secreto Diante do Santíssimo Senhor Nosso Urbano Papa Oitavo, por o Ilustríssimo Senhor Francisco Maria Bispo de Óstia Cardeal de Monte da Santa Igreja Romana aos 13 de Janeiro de 1621 sobre a vida e santidade, actos de Canonização, e milagres da Beata Isabel Rainha de Portugal de boa memória... (Évora. ano 1625) [Pt. - 140 páginas]

819 - Colecção das Leis Promulgadas, Sentenças Proferidas nos Caos da Infame Pastoral do Bispo de Coimbra D. Miguel da Anunciação: das seitas dos Jacobeus e Sigilistas, que por ocasião dela se descobriram neste Reino de Portugal: e de algumas editais concernentes às mesmas ponderosas matérias. (Lisboa, Régia Tipografia, ano 1769) [Pt. - 540]

820 - Manifesto de Sua Majestade Fidelíssima, ElRei Nosso Senhor, o Senhor D. Miguel I (Londres) [Pt. - 104 páginas]

822 - Sermões Panegíricos, e Doutrinais, que em diversas festividades, e assuntos prégou o Reverendíssimo Padre D. Rafael Bluteau, Clérigo Regular, Doutor na Sagrada Teologia, Prégador da Majestade da Rainha Mãe de Inglaterra Henriqueta Maria de França, Qualificador do Santo Ofício no Reino de Portugal - II Tomo (Lisboa Ocidental, ano 1733) [Pt. - 650 páginas]

823 - Sumário da Biblioteca Lusitana - II Tomo (Lisboa, ano 1786) [Pt. - 440 páginas]

824 - Sumário da Biblioteca Lusitana - III Tomo (Lisboa, ano 1787) [Pt. - 380 páginas]

825 - Senado Diocesano da Igreja e Bispado de Angamal e dos Antigos Cristãos de S. Tomé das Serras do Malavar das partes da Índia Oriental, Celebrado Pelo Reverendíssimo Senhor D. Frei Aleixo de Menezes Arcebispo Metropolitano de Goa, Primaz da Índia e partes orientais sedevacantes do dito Bispado (...), no terceiro Domingo depois de Pentecostes aos 20 dias do mês de Junho da era de 1599. Na Igreja de todos os Santos, no lugar e Reino do Diamper sujeito a ElRei de Cochim infiel, no qual se deu obediência ao Sumo Pontífice Romano, e se sujeitou o dito Bispado com todos os Cristãos dela à Santa Igreja Romana. (Coimbra, ano 1606) [Pt. - 150 páginas]

829 - Tables de Registrations Pour la Musique dÓrgue Française du XVIe au XIXe siècle (Roland Lopes, ano 2008) [Fr. - 130 páginas]

(a continuar)

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXV

PAPA FRANCISCO e A APOSTASIA PERMITIDA POR DEUS

Na sua viagem à Suécia, entre o beijo à Bíblia protestante, e outras coisas de igual especie, o Papa proferiu ignorantes palavras contra o que a  Santa Igreja sempre ensinou e fez tão santamente. Eis a informação da EuroNews:

Papa Francisco inclina-se, e beija bíblia valdense
"O papa Francisco pediu perdão à igreja protestante pelos erros cometidos durante 500 anos de guerras, perseguições e execuções.
A primeira visita de um sumo pontífice à Suécia – sede da Federação Mundial Luterana – em mais de 30 anos foi marcada por uma nova tentativa de reconciliação entre as duas igrejas, quando as divisões persistem.
Francisco presidiu uma celebração ecuménica, em Lund, ao lado da Arcebispa protestante d’Uppsala, Antje Jackelen.
Um feito inédito para assinalar os 500 anos da Reforma Protestante [revolta protestante] iniciada por Martinho Lutero.
As festividades iniciaram-se esta segunda-feira em Wittenberg, na Alemanha, na mesma igreja à porta da qual Lutero tinha afixado as 95 teses que denunciavam a corrupção da igreja católica.
Apesar de meio século de esforços de reconciliação por parte do Vaticano, as duas igrejas mantém-se divididas em questões como a ordenação de mulheres, proibindo a comunhão de casais mistos (católicos e protestantes)."

Papa Francisco e a "Arcebispa" (dia das bruxas...)
O blog ASCENDENS propõem a todos os católicos de recta intenção:
1 - O distanciamento prudencial das mensagens e documentos do Papa Francisco (também fazer um distanciamento prudencial do chamado "Magistério Pós Conciliar");
2 - Rezar diariamente pela conversão do Papa Francisco;
3 - Pedir ao Anjo custódio nacional a redobrada protecção da respectiva pátria;
4 - A persistência no rezar do terço diariamente;
5 - Andar em estado de graça;
6 - Lutar por ter ou conservar em si a recta intenção, amor à verdade, e pureza da fé;
7 - Fazer leitura espiritual: usar apenas clássicos da espiritualidade (destaque para a "Preparação Para a Morte" ou "Máximas Eternas" de Sto. Afonso Maria de Ligório), se possível 10 a 15 minutos diários.
8 - Pedir pela protecção e defesa da Santa Igreja Católica.

"Ai, ai, ai"...

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXIV

NA SERRA ALTA - TRIUNFO DO IMACULADO CORAÇÃO ANTES, OU DEPOIS?


"Eis a polémica: dizem uns que o "triunfo do Imaculado Coração" sucederá antes da vinda do Anticristo, porque está prometido um certo tempo de paz posterior; outros estão convictos de não poder vir o Anticristo sobre o triunfo de Nossa Senhora, e que que terá de vir antes do triunfo para ser depois derrotado; outros mais receosos, inclinam-se a certa imanência que os leva a reduzir a apostasía geral a mais uma crise, etc.. Mas, na verdade, o triunfo do Imaculado Coração e os feitos do Anticristo poderão muito bem acontecer simultaneamente: também dos primeiros cristãos, a cada martírio um triunfo para a Santa Madre Igreja [eis o que foi um verdadeiro sementeiro da da Fé e da vitória]. Depois nada impediria que viesse um tempo de paz com posteriores eventos, até ao cumprimento da Parusía."
(na serra alta - J. Antunes)

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXIII

BIBLIOTECA ASCENDENS - difusão (XIII)

(continuação da XII parte)

[requisição gratuita das obras: ver aqui]

728 - Concordância das Leis de Portugal e das Bulas Pontifícias das quais umas permitem a escravidão dos Pretos da África, e outras proíbem a escravidão dos Índios do Brasil. (D. José Azevedo Coutinho - Bispo de Campos. Lisboa, ano 1808) [Pt. - 22 páginas de cor]

729 - História da Província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasília ... (Pedro Magalhães Gândavo. Lisboa, ano 1576) [Pt.  - 98 páginas de cor]

730 - Sermão, que Prégou o Pe. António Vieira da Companhia de Jesus, na Misericórdia da Bahia de todos os Santos, em dia da Visitação de Nossa Senhora, Orago da Casa. Assistindo o Marquês de Montalvão Visserrei daquele estado do Brasil. Ano 1646. [Pt. - 16 páginas]

731 - Gramática da Língua Portuguesa com os Mandamentos Todos da Santa Madre Igreja. (João de Barros. Ano 1539) [Pt. - 59 páginas de cor]

732 - Catecismo, ou Doutrina Cristã, e Práticas Espirituais, Ordenando Por D. Frei Bartolomeu dos Mártires, Arcebispo e Senhor de Braga, Primaz das Espanhas etc. Para se ler nas paróquias deste nosso Arcebispado onde não há pregação. (Lisboa, ano 1594) [Pt. - 310 páginas]

733 - Contrato, Que se Fez no Conselho Ultramarino com Patrício José de Oliveira, do rendimento dos direitos dos dez tostões, que paga cada Escravo nas Alfândegas de Pernambuco, e Paraíba, por tempo de três anos, que hão-de começar no primeiro de Janeiro de 1753... (Lisboa, ano 1751..) [Pt - 4 páginas de cor]

736 - Ortografia ou Arte de Escrever, e pronunciar com acerto a Língua Portuguesa. Para uso do excelentíssimo Duque de Lafões pelo seu mestre João Morais ... (Coimbra, ano 1739) [Pt. - 560 páginas]

738 - Memórias da Basílica da Estrela (Manuel Pereira Cidade, em 1790. Edição de 1926, Coimbra) [Pt. - 258  páginas de cor]

739 - Arte de Bien Morir, e del camino de la muerte... (Fr. António de Alurado. Lisboa, ano 1616) [Esp. - 770 páginas de cor]

742 - Aqui Começa o Livro Chamado Espelho de Cristina o Qual Fala de Três Estado de Mulheres. E é Partido em Três Partes: a Primeira se endereça às Rainhas, Princesas, Duquesas e grandes Senhoras; a Segunda às Donzelas em especial àquelas que andam nas Côrtes das grandes princesas; a Terceira às mulheres de estado e burguesas e mulheres do povo comum:. (Lisboa, ano 1518) [Pt. - 111 páginas de cor]

744 - Arte da Cavalaria de Gineta, e Estardiota... (Atónio Galvão de Andrade. Lisboa, ano 1678) [Pt. - 678 páginas de cor]

745 - Apoyo De La Verdad Catalana Contra las obieciones de uma justificacion que se hizo en nombre DelRey Católico contra esta Provincia... (Lisboa, ano 1642) [Esp. - 64 páginas]

746 - Arte De Cozinha Dividida Em Duas Partes... (Domingos Rodriguês - Cozinheiro do Conde do Vimioso. Lisboa, ano 1683) [Pt. - 277 páginas]

747 - Arte de Criar Bem os Filhos na Idade da Puerícia. Dedicada ao Menino de Belém, JESUS Nazareno (Pe. Alexandre de Gusmão. Lisboa, ano 1685) [Pt. - 400 páginas]

749 - Colecção dos Editais que se têm publicado pela Real Mesa Censória, erecta por ElRei Fidelíssimo D. José I Nosso Senhor, pelos quais proíbe vários livros... (Lisboa, ano 1775) [Pt.  - 170 páginas]

755 - Relação Sumária da Vida do Ilustríssimo, e Reverendíssimo Senhor D. Teotónio de Bragança, quarto Arcebispo de Évora.... (Nicolau Agostinho. Évora, ano 1614) [Pt. - 200 páginas]

756 - Sound Absorption of 18th-century Barroque Woodcarving in Churches - Inter-noise 2002 [ing. - 6 páginas com cores]

767 - Festas Reais na Corte de Lisboa ao Feliz Casamento dos Reis da GrãBretenha Carlos e Catarina nos touros que se correm no terreiro do passo em Outubro de 1661 (Izandro, Aonio, e Luzindo toureiros e forcados. Lisboa, ano 1661) [Pt. - 28 páginas]

777 - História do Congo ... (Visconde de Paiva Manso. Lisboa, ano 1877) [Pt. - 380 páginas]

(continuação, XIV parte)

CIENTISTAS CONTRA OS TRANSGÉNICOS

A publicação é de 2014, para que se veja o quanto vale a pena distribuía ainda em 2016:


Cientistas pedem a suspensão dos transgénicos em todo o mundo

Em Carta aberta com 29 pontos, cientistas alertam para os perigos que os transgénicos representam para a segurança alimentar e a biodiversidade.


Da Redacção

Preocupados com os perigos que os transgénicos para a sociedade, 815 cientistas lançaram, no último dia 7, uma carta aberta exigindo à proibição de qualquer tipo de cultivo desses alimentos, pois “ameaçam a segurança alimentar e violam os direitos humanos básicos e a dignidade”.

Para eles, o cultivo dos transgénicos também intensifica o monopólio corporativo, exacerbam as desigualdades e impedem a mudança para uma agricultura sustentável que garanta a segurança alimentar e a saúde em todo o mundo. (continuar aqui)

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXII

BIBLIOTECA ASCENDENS - difusão (XII)

(continuação da XI parte)

Pe. José Anchieta
[requisição gratuita das obras: ver aqui]

694 - Convenção entre os muito altos, e muito poderosos senhores o Príncipe Regente de Portugal, e ElRei do Reino Unido da Grande Bretanha e Irlanda, para terminar as Questões, e indemnizar as perdas dos Vassalos Portugueses no Tráfico de Escravos de África: feita em Viena pelos Plenipotenciários de uma e outra Côrte, em 21 de Janeiro de 1815,e Ratificada por Ambas. (Imprensa Régia - 1815) [Pt. e Ingl. - 4 páginas de cor]

695 - Tratado da abolição do Tráfico de Escravos em todos os lugares da Costa de África ao Norte do Equador, Entre os Muito Altos, e Muito Poderosos Senhores o Príncipe Regente de Portugal, e ElRei do Reino Unido da Grande Bretanha e Irlanda: Feito em Viena pelos Plenipotenciários de uma e outra Côrte em 22 de Janeiro de 1815, e ratificada por Ambas.  (Imprensa Régia, ano 1815) [Pt. e Ingl. - 4 páginas de cor]

696 - Investigador Português em Inglaterra ou Jornal Literário, Político, etc. - Vol. XIV (Londres, ano 1815) [Pt. - 600 páginas]

698 - O Viajante Universal, ou Notícia do Mundo Antigo e Moderno - Tomo VII (Mr. de Laporte. Lisboa, ano 1799) [Pt. - 400 páginas]

700 - Obras de Luís de Camões, Príncipe dos Poetas de Hespanha. I Tomo, II Parte (Lisboa, ano 1782) [Pt. - 337 páginas; 2ª edição]

701 - Obras do Doutor Francisco de Sá de Miranda - I Tomo (Lisboa, ano 1784) [Pt. - 347 páginas]

702 - Obras Políticas, e Pastorís de Francisco Rodrigues Lobo - II Tomo, Primavera (Lisboa, ano 1774) [Pt. - 346 páginas]

703 - Obras Políticas, e Pastorís de Francisco Rodrigues Lobo - I Tomo, Côrte na Aldeia (Lisboa, ano 1774) [Pt. - 341 páginas]

705 - Observações Críticas Sobre Alguns Artigos do Ensaio Estatístico do Reino de Portugal Publicado em Paris por Adriano Balbi (Luís Duarte Vielela da Silva. Lisboa, ano 1828) [Pt. - 150 páginas]

706 - Observações Médicas Doutrinais de Cem Casos Gravíssimos, que em serviço da Pátria, e das Nações estranhas. (João Curvo Semedo. Lisboa, ano 1707) [Pt. - 660 páginas]

707 - ALVARÁ régio  - sobre o castigo a dar aos escravos por delitos na mineração diamantina (Rio de Janeiro. Ano 1808) [Pt. - 2 páginas de cor]

711 - Arte da Gramática da Língua mais usada na costa do Brasil (José de Anchieta. Coimbra, ano 1595) [Pt. - 66 páginas de cor]

719 - Martirológio Romano, Dado à Luz por Mando do Papa Gregório XIII, e novamente acrescentado por autoridade do Papa Clemente X. Ajuntou-se a Esta edição a memória de todos os Santo, que até ao presente foram canonizados pelos Sumos Pontífices. (Lisboa, ano 1748) [Pt. - 600 páginas]

722 - Medicina Teológica, ou Súplica Humilde, feita a todos os Senhores Confessores, e Directores, sobre o modo de proceder com seus Penitentes na emenda dos pecados, principalmente da Lascívia, Cólera, e Bebedice. (Lisboa, ano 1794) [Pt. - 160 páginas]

723 - Memórias Históricas do Rio de Janeiro e das províncias anexas à jurisdição do Vice-Rei do Estado do Brasil, dedicada a ElRei o Senhor D. João VI ... - IX Tomo (José de Souza Azevedo Pizarro e Araújo. Rio de Janeiro, ano 1822) [Pt. - 470 páginas]

725 - Memória da Disposição das Armas Castelhanas, que injustamente invadiram o Reino de Portugal no ano de 1580 despertando o valor português para não temer; da prudência, e conselho para ordenar o presente; da prevenção, e cautela para dispor o futuro,, (Pe. Fr. Manuel Homem. Lisboa, ano 1758) [Pt. - 350 páginas]

726 - Documentos àcerca do Tráfico da Escravatura Extraídos dos papeis relativos a Portugal apresentados ao Parlamento Britânico (Lisboa, ano 1840) [Pt. - 114 páginas]

727 - Memória Para Servir de Índice dos Forais das Terras do Reino de Portugal e seus Domínios... (Lisboa, ano 1816) [Pt. - 280 páginas]

(continuação, XIII parte)

SONATA K37 (mi -) - Carlos Seixas (1704-1742)


Uma das sonatas mais populares de António Carlos de Seixas, tocada no maior órgão de estilo ibérico (igreja do Mosteiro de S. Vicente de Fora - Lisboa), pelo reputado organista Pierre Cochereau.


O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLXI

BIBLIOTECA ASCENDENS - difusão (XI)

(continuação da X parte)

[requisição gratuita das obras: ver aqui]

656 - História da Vida, Morte, Milagres, Canonização, e Trasladação de Santa Isabel Sexta Rainha de Portugal... (D. Fernando Correia Delacerda - Bispo do Porto. Lisboa Ocidental, ano 1735) [Pt. - 490 pág.]

660 - História de Portugal - I Tomo (J. Pedro Oliveira Martins. Lisboa, ano 1908) [Pt. - 670 páginas]

663 - Aqui se contíene una disputa, o controversia: entre el Obispo don fray Bartolome de las Casas, o Ca[?], Obispo que fue de la Ciudad Real de Chiapa que es en las Indias, parte de la nueva España, y el doctor Bines de Sepulveda (...) que las conquistas de las Indias contra los Índios eram licitas, y el Obispo por el contrario defendio y afirmo aver sido y ser impossible no serlo: tyranicas injustas y iniquas (...) (ano 1552) [Esp. - 115 paginas de cores]

666 - Apontamentos Para  história da Dominação Castelhana em Portugal - Opúsculo Anti-Ibérico (Visconde de Trancoso. Lisboa, ano 1870) [Pt. - - 40 páginas; incompleto]

667 - Análise Crítica dos Acontecimentos de Espanha Desde 1868 até 1875 (Ferreira da Costa. Lisboa, ano 1875) [Pt. - 48 páginas; incompleto]

674 - Memórias Para a História de Portugal, Que Compreendem o Governo DelRei D. João I ... - II Tomo (José Soares da Silva. Lisboa Ocidental, ano 1731) [Pt. - 480 páginas]

675 - Memórias de Fr. João de S. José Queiroz, Bispo do Grão-Pará, com uma extensa introdução e notas ilustrativas (Camilo Castelo-Branco. Porto, ano 1868) [Pt. - 230 páginas]

681 - Instrucções destinadas para os Navios de Guerra Portugueses e Ingleses que tiverem a seu cargo o impedir o Comércio ilícito de Escravos (Londres, 28 de Julho de 1817 - publicado no Rio de Janeiro, Impressão Régia, 1817) [Pt. e Ing. - 6 páginas de cor]

684 - ALVARÁ régio de 26 de Janeiro de 1818 - Imprensa Régia (lei de proibição de comerciar escravos da Costa de África, proibição de resgate de escravos..) [Pt. - 4 páginas]

688 - Newton, poema (José Agostinho de Macedo. Lisboa, ano 1815) [Pt. - 167 páginas; 2ª edição aumentada]

689 - Novo Dicionário da Língua Portuguesa, Composto Sobre os que até ao presente se têm dado ao prelo, e Acrescentado de vários Vocábulos extraídos dos Clássicos Antigos, e dos Modernos de melhor nota, que se acham universalmente recebidos. (Lisboa, ano 1806) [Pt. - 877 páginas]

692 - ALVARÁ régio, Belém - Lisboa a 3 de Outubro de 1758 (para impedir certas situações e condições relativas à vida dos escravos). [Pt. - 3 páginas de cor]

(continuação, XII parte)

O BRASÃO PELO QUAL SE PODE ORAR CCCLX

JURAMENTO DE D. AFONSO HENRIQUES

"Juramento do N. Rei D. Afonso Henriques Somente o Que Pertence ao Passo do Ermitão"

TEXTOS ANTERIORES